Especial do mês

Especial do mês

Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam. 

– Porque, se somente amardes os que vos amam, que recompensa tereis disso? Não fazem assim também os publicanos? 

– Se unicamente saudardes os vossos irmãos, que fazeis com isso mais do que outros? Não fazem o mesmo os pagãos? 

– Sede, pois, vós outros, perfeitos, como perfeito é o vosso Pai celestial.

( MATEUS 5:44, 46 a 48.)

Ser perfeito é um desafio dado a nós pelo Cristo, nosso irmão. Ser perfeito, como dito àqueles homens, pressupõe seguir o exemplo de perfeição do nosso criador. Cabe a nós entendermos que essa qualidade, como colocada pelo Cristo, nunca terá a capacidade de se igualar à do Pai, mas nos serve como um norte na busca da perfeição moral possível ao homem terreno. 

E qual a extensão dessa perfeição possível? Amar quem nos ama e fazer bem a quem nos quer o bem não é o suficiente para trilharmos os passos deixados pelo nosso Irmão Maior, que nos solicita fazer o bem a quem nos odeia e amar quem não nos tem amor. Através dessa escolha intencionada, somos capazes de mudar a nossa essência e mudar o rumo de nossas vidas por meio do serviço ao outro. 

O amor é uma escolha individual que não deve depender das ações e sentimentos dos nossos irmãos. Como criaturas que vieram de um criador, não seremos capazes de nos igualar, mas teremos o privilégio de evoluir cada dia mais enquanto O servimos.

E qual caminho devemos tomar? Os passos para alcançar essa perfeição passam pela caridade, sentimento que nos permite praticar todas as virtudes; benevolência, que consiste em ser amável e ter boa vontade para com todos e indulgência, que significa ter a capacidade de perdoar os erros cometidos pelos nossos irmãos.

Segundo a escritora espírita Leda de Almeida Rezende Ebner, “compreendendo esse raciocínio, percebemos o quanto estamos distantes da perfeição que podemos atingir, o quanto precisamos estar atentos a tudo que sentimos, pensamos e agimos, para continuarmos nossa caminhada evolutiva, que, temos de reconhecer, já avançou um bom tanto, se pensarmos no homem primitivo e rude que já fomos. Hoje já estamos interessados em usar nossa inteligência no entendimento dos ensinos de Jesus, porque só os compreendendo com a razão e com a sensibilidade espiritual, podemos, conscientemente, esforçarmo-nos em praticá-los, no dia-a-dia, errando cada vez menos e acertando cada vez mais”.

A perfeição possível passa por amar o imperfeito, já que homem nenhum na terra pode receber esse título, ainda. Necessitamos agir com caridade e benevolência, tendo indulgência com os erros alheios e sendo cocriadores de nossa realidade e do mundo ao nosso redor, usando a ação intencionada de amar como instrumento de transformação individual e coletiva.

Gabriella Araujo e Katia Araujo

Fontes: 

TV Mundo Maior/ Emissora da Fundação Espírita André Luiz https://tinyurl.com/y2gf8nwg

Centro Espírita Batuira https://tinyurl.com/yyz92bx7 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *