Pais, “que fizestes da criança confiada à vossa guarda?”

Pais, “que fizestes da criança confiada à vossa guarda?”

“A alma que se encarna vem do espaço para progredir. Tomai conhecimento dos vossos deveres, e ponde todo o vosso amor em aproximar essa alma de Deus”

SANTO AGOSTINHO

Paris, 1862

O principal objetivo dos pais é preparar os filhos, sob sua guarda, para caminharem em direção a Deus, ou seja, os educando pelos caminhos do bem para que executem a missão a eles destinada aqui na Terra. Nesse processo, a infância é o estágio inicial de vida, de preparação a uma nova chance de evolução, e a juventude uma etapa existencial de extensão dessa primeira fase de formação em que o espírito já começa a se perceber como um indivíduo e a buscar qual o seu lugar no mundo.

Infância

Em geral, as pessoas escolhem quando e como irão reencarnar e aqueles que serão os seus pais naquela nova vida, com auxílio da espiritualidade, exceto nos casos quando o indivíduo não está em condições de fazer tais opções e grupos espirituais elevados o fazem. Portanto, esse contexto familiar que passa a existir tem finalidade de amparo mútuo, seja ele nos casos em que há incompatibilidades, desentendimentos entre pais e filhos, seja nos casos de harmonia recíproca. Nos primeiros casos, pode ter sido por causa de falha destes que mais uma vez assumem a posição de pais, no intuito de reparar os erros de outra vida. Já no segundo, a afinidade no plano espiritual pode ter sido uma razão a mais a virem aqueles seres reunidos em família para superarem, juntos, as suas dificuldades íntimas na subida dos degraus evolutivos.

A delicadeza do bebê desperta grande amor e cuidado dos pais para com seus filhos.

Na infância, a sabedoria divina faz nascer, nos pais, cuidado e amor que somente a delicadeza do bebê desperta. Entretanto, desde o berço, observam-se na criança os instintos bons ou maus que traz de existência anterior, sempre fruto do egoísmo e do orgulho, a serem combatidos.

Juventude

Os cuidados dos pais, a educação que derem a seus filhos, auxiliarão no seu aperfeiçoamento e na sua felicidade futura, de acordo com o Evangelho Segundo o Espiritismo

Nesta fase reencarnatória do processo de melhoramento do ser, há muitos caminhos que levam esse jovem ao autoconhecimento e a escolhas de acordo com seus objetivos, segundo artigo da Federação Espírita Brasileira.  O roteiro a seguir pode se tornar mais suave se tiver como base os mandamentos difundidos por Jesus quanto a “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos”.

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve” (Mt 11.28-30).

 

Assim como afirma a passagem do evangelho, a mensagem de Jesus à luz do Espiritismo representa roteiro seguro e convida o jovem, igualmente, a assumir-se como tarefeiro no bem e a colaborar na construção do mundo novo.

Missão cumprida?

Ao final da vida terrena, pai e mãe, ao retornarem ao plano espiritual, terão que responder a Deus: “Que fizestes da criança confiada à vossa guarda?” Dessa pergunta, surgirão sentimentos de alegria pela missão cumprida, ou de remorso, tristeza, quando este filho permaneceu atrasado por culpa dos pais, segundo explica o Evangelho Segundo o Espiritismo, no capítulo XIV. E também está contido nessa parte da obra que a pluralidade das existências permite o reparo da falta e a escolha de uma nova encarnação junto deste ser a fim de cercá-lo de mais afeto e amor.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *